Garota, eu vou pra Califórnia!

por Dulcineia Vitor

 

Hoje eu decidi ‘mudar de vida’, penso em lavar a cabeleira, sair ao vento e ouvir uma música libertadora… Tomar chuva, ver o mar…

O importante é a liberdade!

Libertar-se daquilo que lhe faz mal, esquecer aquilo que lhe foi inventado que seria bom, mas que de nada adianta, porque atrasa, machuca, encuca. A vida é muito mais do que pensamentos e ações, ela é cheia de surpresas, sejam boas ou más, e você tem que estar forte, preparada.

Daí você bate no peito e diz: “manda mais uma, irmã”, porque é assim mesmo. Não é porque você está mais fraca que a vida vai lhe poupar. A vida vai mandando os problemas, as situações, uma atrás da outra. Porém, mostra as soluções também, manda novos amigos, lembra você dos velhos, lhe enche de risos, de abraços e beijos bons demais.

Aprendi que não devemos provar nada à ninguém, você é o que é, acreditem ou não. Aprendi que devemos confiar nos olhos de uma pessoa, eles dizem mais que as palavras conseguem explicar. Aprendi que a culpa nada mais é que não saber o que quer, que não assumir o controle de suas vontades. Aprendi que um grande amor deve ser preservado, seja lá de que forma for, ele deve sempre ser cuidado. Aprendi que é muito mais gostoso dizer não e por isso tomar um tapa da vida, do que dizer muito sim e por isso nunca agradar a si mesma.

É essencial ter foco – isso eu sempre digo, vivo a repetir que planejar-se é o ideal. Mas nem sempre dá, não é? A vida vem, lhe atropela e PUF cadê sua vida dos sonhos? Para tanto, é necessário tirar uma força lá de dentro, do fundo da alma, do lado esquerdo do peito e erguer o castelo que sempre quis. Com foco fica mais fácil, porque você se distrai menos.

Uma vez que a vida não vem com manual de instruções e é curta demais, aproveite! Siga o coração e ‘mude de vida’ a cada segundo que lhe convier, porque ter uma ‘vida nova’ dentro da ‘vida velha’ é a melhor coisa que existe.

Ah, como vou pra Califórnia? Devo ir de bike, assim o vento beija melhor meus cabelos.

Anúncios

Vê se entende, criatura!

por Dulcineia Vitor

Não, não existe uma única mulher que odeie receber flores (só as com traumas/alergias/ódiomortaldanatureza). O problema está com quem dá as flores e como dá. Flores não são presentes, nem é a coisa mais romântica do mundo!

É importante perceber a sutileza em dar flores, seja buquê, seja uma rosa apenas. Em datas especiais é importante acompanhar com um presente, no cotidiano é importante que seja uma flor diferente ou que esteja junto com chocolates ou um vinho. Esses detalhes deixam claro a intenção em ‘presentear’ com flores.

Para apenas flores, e que sejam diferentes, por favor: Passei em frente uma floricultura e não resisti! Para flores com chocolates: Óh querida lembrei de você! Para flores com vinho: Hoje teremos uma noite especial! 

Aposte em tulipas ou girassóis para o dia-a-dia: mulheres gostam de cuidar, pode ser no vaso ou apenas uma flor ou buquê, mas escolher uma flor diferente, lê-se: sem essas das habituais rosas vermelhas, demonstra cuidado.

Rosas vermelhas tem ocasião ideal.

E, por favor, não esqueçam do cartão! Escrever um eu te amo, lembrei de você, não atrofia o dedo de ninguém.

Agora, se é só um caso, como diria o “poeta” um lance é um lance, não dê flores, a mensagem pode ser entendida errada e ficar aquele clima de romance… E ninguém quer iludir ninguém. Não é?

E para ilustrar o texto, eu já tinha uma imagem na cabeça desde mais nova, porque esse homem sim sabe dar flores. E olha que ele nem faz meu tipo, talvez o da minha mãe!

“…I don’t want to leave her now…”

por Dulcineia Vitor

Os dias que a vida surpreende você: todos! Seja de maneira negativa ou positiva, se você não está parado no lugar, a surpresa acontece. E pode ser algo simples, como ver seu cachorrinho pulando pela primeira vez em cima do sofá.

E por esse caminho de descobertas vamos caminhando.

Quando eu era criança acreditava muito nos adultos, afinal eram meus disciplinadores/educadores, pensava que eles não erravam e que naquele ponto que se encontravam, eles já sabiam tudo e ninguém os deteria. Até que me tornei uma adulta.

Quase nada foi exatamente como pensei que seria, a vida é bem mais bonita e complexa do que considerava. Viver depende de outras mil maneiras de ver e interagir com o mundo.

Para que nossas escolhas sejam realmente respeitadas, primeiro temos que levá-las muito a sério e nos municiarmos de elementos que não nos façam perder de vista este objetivo, como dizem “nem tudo são flores” e mesmo se fosse, as flores trazem espinhos, não é?

Por um instante tudo pode mudar e você como quem comanda um cavalo bravo, pode pular ou segurar a rédia mais forte e confiar no que quer para o seu destino – tudo para não cair, caso não seja sua escolha.

Isso, porque hoje acordei com Something – The Beatles na cabeça e fui vendo que muito mais do que dizer que não quer se separar de um amor, que tem algo nela que o encanta, a letra trata de saber o que quer, entender o que é desconhecido, respeitar isso e escolher!

Por isso, mesmo que você esteja confuso e não saiba direito o que quer em um determinado assunto, confie em você, porque a resposta virá!

“…I don’t want to leave her now, you know I believe and how, you’re asking me will my love grow, I don’t know, I don’t know, you stick around now it may show, I don’t know, I don’t know…”


Dá o play!!

Ano novo despenteia

por Dulcineia Vitor

Nem adianta vir com história de que está tudo ok. Porque não tá, e é aquilo mesmo, todo fim de ano, mil expectativas; pra não dizer duas mil e doze expectativas.

A vontade de realizar é tão grande, os desejos são tantos, que os cabelos ficam em pé… Ser mulher ‘néfácilnão’! Mas vamos lá…

Com certeza, para 2012 você já tem mil projetos… Porque não investir um tempinho agora para escrevê-los? E aproveitar para desmembrar algumas ações para que eles sejam realizados? Para que 2012 seja ainda melhor que 2011, é preciso otimismo e atitude… Convenhamos, pouco vale o pensamento positivo se não há ação.

Por isso, pare um pouco, enquanto os pés descansam em um pouco de água morna, escreva tudo, fica mais fácil para realizar; faça um balanço rápido do ano que está acabando (nada de remoer, é só um balanço); veja o que foi realizado e quais ferramentas você tem para realizar ainda mais no próximo ano.

Não esqueça de fazer metas possíveis. Mas lembre-se, toda meta é possível se houver ação. Basta saber o que quer e como conseguir (com passo-a-passo mesmo) – nada de preguiça, isso aqui é vida real e se você não se propor a realizar, ela vai passar.

Se não fosse esse ritual de ano novo e toda essa esperança de uma vida melhor, nós estaríamos esgotados, sem esperanças renovadas, porque em um certo tempo ligamos o ‘piloto automático’ e continuamos a vida. E o réveillon nos serve para desligar e pensar. E que tal, pensarmos sempre e não ligarmos os nossos ‘pilotos automáticos’, vamos sentir a vida. Sentir cada momento!

Por fim, tome um bom banho, faça as unhas (caso ainda não tenha feito), ajeite as madeixas e sorria para o novo ano que está vindo!

Que 2012 seja um ano de coragem para realizarmos nossos sonhos! Um ano de muita felicidade para todos!!

Ainda bem que eu nasci mulher

por Dulcineia Vitor

Tem dias que invejo a habilidade de um homem em se virar, tem dias que detesto a necessidade incessante de comer um único chocolate, tem dias que tenho vontade de arrancar os cabelos, porque não ficaram lindos como eu queria. Tem dias…

Mas tem outros dias que eu esqueço tudo isso; e AMO estar perfumada, fazer charminho, comprar um chocolate por necessidade feminina, passar um rímel mais forte e ter certeza que sou a mais linda do mundo, usar salto, jogar o cabelo para o lado, usar unhas vermelhas e rir de bobagens com as amigas.

E por isso, seguem aquelas dicas femininas já tão conhecidas na web; são as minhas preferidas pra noite de sexta-feira. ‘Bora’ ficar linda, mulherada!!

Ai, acho que é tudo que uma linda mulher precisa, né?! Make, cabelo e unha, ui! He! O look fica por sua conta e a seu gosto!

Boa sorte e ótima sexta! 🙂

Virilidade em crise

por Dulcineia Vitor

O homem de hoje. Há discussões que afirmam que eles já não são mais tão viris, o que os tornaram incapazes de nos proteger. Mas e aí, onde está o problema?

Bem sabemos que nós mulheres há muito desejamos estar no lugar deles, ocupar bons cargos, cuidarmos da nossa vida e não dependermos dos cuidados e desmandos de homem nenhum! E assim fizemos.

Só que nesta conquista toda, as mulheres não deixaram seu romantismo, e continuaram a ser mães amantíssimas e ótimas donas de casa; mesmo que atrapalhadas por turbilhões de assuntos de trabalho, elas se ofendem se alguém disser: “ah, você não é boa mãe” ou “nossa, sua casa não está bonita”. A perfeição é a palavra de ordem para nós.

Mas aí, nós descobrimos como é duro o mercado de trabalho; e como é difícil sustentar uma casa, fazer escolhas, ser independentes. E trouxemos isso para a criação de nossos filhos.

Para as meninas ensinamos a fortaleza de ser mulher, mas sem deixar o encanto, o romantismo. Para os meninos adiamos a maturidade, os deixamos num mundo de sonhos, afinal vão sofrer tendo que prover um lar. Como assim?

As meninas são preparadas para lidarem de igual para igual com homens. E os homens devem adiar seu sofrimento. Mas se agora as mulheres são indicadas a terem suas vidas, por quê essa proteção com os homens?

Talvez esteja no inconsciente das mulheres, que os homens vão sofrer para cuidar de tudo. Talvez, não sei.

Porém, considero que os homens continuam os mesmos, só um pouco mais protegidos por suas mães. Já as mulheres, sim, elas mudaram, e mudaram muito.

A participação das mulheres no mercado de trabalho influenciou a educação de seus filhos, é fato. Exigindo da mulher força, sem perder a dona de casa que existe nela, nem o romantismo. E nos equivocando quando esperamos uma “virilidade” dos homens que já nem é mais ensinada.

Que tal equilibrar as coisas?