Viver dá vertigem!

por Dulcineia Vitor

Quero o avesso, o lado de dentro da alma.

Um verso ou dois de amor. Quero devorar aquele pedaço da prosa pra sem demora colar em você.

Quero o inverso, o de ponta cabeça. Um pouco de sol, um pouco de mar, cerveja gelada e risadas de doer a barriga. O jeito certo e a bagunça.

Música alta, música boa, rock n’ roll. Suor. Lágrimas. Beijo estalado de amigo, beijo longo de namorado. Abraços de quebrar os ossos de criança, aperto de mão de pessoa séria. Olho no olho, sorriso largo.

Sentir com a alma, respirar no ritmo de cada sentimento. Amar, amar, amar.

Ser normal de tão louca, pedir para parar, começar tudo de novo. Pedir ajuda, ajudar. Prestar atenção e distrair no meio da conversa. Emocionar com um filme ou um livro; com os dois.

Ser livre.

Experimentar novos caminhos sob a supervisão de um adulto. Ser adulta pra orientar as escolhas de um amigo. Saborear. Ter fé além da conta, saltar.

Quero cabelos despenteados e amor descontrolado. Confiar. Escolher um bom vinho, um bom lugar. Serenidade e paixão.

Tomar chuva de ensopar. Reclamar da vida, resolver tudo com uma dose de tequila. Pedir mais, fazer mais.

Dançar pulando, cantar gritando; cantar junto. Fechar os olhos pro vento que toca o rosto. Correr atrasada, rir com o riso de uma criança. Olhar três vezes se a porta está fechada. Balançar na rede. Cuidar de alguém. Viajar…

Apaixonar por uma voz, um olhar, um toque. Apaixonar todos os dias.

Querer mais, querer sempre, ter vontade, ter vertigem.

chiliqueria-dançando-viver-dá-vertigem-Dulcineia_Vitor-dançar